Reflexões sobre os Dez Mandamentos

Os Dez Mandamentos

    Pretendemos pela graça divina comentar de forma sucinta os dez mandamentos da Lei de Deus, um por um, em cada domingo no boletim de nossa igreja, mandamentos esses dados por Deus para nortear a vida do seu povo, no inicio a vida de Israel, e depois do povo da Nova Aliança, a Igreja de nosso Senhor Jesus Cristo.
   O Deus revelado pelas Sagradas Escrituras é um Deus pessoal tendo, portanto, três características comuns a uma personalidade: inteligência, vontade e emoções. Além disso, as Escrituras nos revelam que esse Deus tem atributos (características próprias e distintivas do seu ser) que conhecemos como atributos naturais (onipotência, onisciência, onipresença, Infinitude, espiritualidade, etc), e atributos morais (santidade, justiça, amor e verdade).


Continuar lendo »


Não terás outros deuses diante de mim

No primeiro mandamento do Decálogo encontramos uma declaração onde nos é reveladaa existência deum único Deus verdadeiro, e que esse Deus deve ser, e somente ele, adorado, servido e glorificado pelas suas criaturas, tendo em vista ser Ele também o Criador de todas as coisas.
    As Sagradas Escrituras nos revelam ainda que esse  Deus verdadeiro é o Espirito puríssimo, autoexistente, onipotente, onisciente, onipresente, infinito, imutável em seu ser, e possuidor de outros qualificativos maravilhosos.


Continuar lendo »


Não farás para ti imagem de escultura

    As Sagradas Escrituras nos revelam que Deus ao criar o homem imprimiu em sua alma um sentimento de dependência dele, isto quer dizer que o ser humano só encontra plena satisfação em Deus, que o criou a Sua imagem e semelhança. Agostinho de Hipona, um dos pais da Igreja, expressou esse sentimento, que é comum aos homens: “Quão tarde te amei ó antiga e sempre nova formosura, quão tarde te amei! Fizeste-nos para Ti e inquieto está o nosso coração até que em Ti descanse”.


Continuar lendo »


Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão

 O terceiro mandamento do Decálogo trata da proibição de se mencionar levianamente o grande nome do Senhor, do Deus dos Céus. “Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus, em vão; porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão”.
  Estudando as Sagradas Escrituras verificamos que no Antigo Testamento Deus é chamado pelos nomes de Yaweh (Yavé) o mais sagrado deles, Adonai, Shaddai, El, Elohim, Elyon. No Novo Testamento Deus é chamado de Theos, Kyrios, e de Pater. A exceção de Yaweh, os demais nomes foram dados pelos escritores inspirados. Em relação à Yaweh foi o próprio Deus quem se nomeou quando respondeu a pergunta de Moisés sobre qual seria o nome de quem o comissionara para tirar o povo de Israel do Egito. “EU SOU O QUE SOU” (Ex 3.14) disse Deus a Moisés. Essa expressão na língua original do Antigo Testamento (hebraico) expressa nos caracteres de nossa língua é o tetragrama YHWH onde foram colocadas vogais para facilitar a pronuncia, daí Yaweh (Iavé, Javé, Jeová). “Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor, às imagens de escultura” Is 42.8. (Em algumas versões usa-se a palavra SENHOR com letras maiúsculas significando Yavé).


Continuar lendo »


Lembra-te do dia do sábado para o santificar

   O quarto mandamento do Decálogotrata da proibição de se trabalhar no dia de sábado. “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra, mas o sétimo dia é o sábado do Senhor, teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há e ao sétimo dia descansou; portanto, abençoou o Senhor o dia do sábado e o santificou.”. Ex 20.8-11.


Continuar lendo »


Honra a teu pai e a tua mãe

   Vimos no primeiro artigo sobre Os Dez Mandamentos que os quatro primeiros mandamentos contemplam o relacionamento do homem com Deus e os seis restantes o relacionamento do homem com o seu semelhante.
   O quinto mandamento do Decálogo trata do relacionamento dos filhos para com seus pais (pai e mãe). “Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá” Ex 20.12.


Continuar lendo »


Não Matarás

   O sexto mandamento (Não matarás) é uma ordem expressa de Deus para que  o homem enquanto indivíduo não tire a vida de seu semelhante sob nenhuma circunstância, pois a vida é um dom de Deus e só Ele tem autoridade para tirá-la. “O Senhor é o que tira a vida e a dá; faz descer à sepultura e faz tornar a subir dela” 1 Sm 2.8. Quem comete um assassinato de forma premeditada ou não, comete um crime hediondo, cuja pena pela lei divina é a morte (exclua-se desse “não” aquele tipo de morte que foi protagonizada por uma pessoa, mas ela não tinha intensão de matar, aliás, a própria lei mosaica apresentava um atenuante para esse tipo de caso - Nm 35.9-34).


Continuar lendo »


Não Adulterarás

    Deus ao criar o ser humano implantou nele um  poderoso instinto que é o instituto sexual. Isso Deus fez, infere-se da revelação divina através de sua Palavra, para que o Seu programa eterno tivesse curso. “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. E Deus os abençoou e Deus lhes disse: Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra,...” Gn 1.27,28. Para que a procriação tivesse oportunidade Deus uniu o homem e a mulher em matrimônio e os autorizou dentro dessa instituição, e somente dentro dela, a usar o sexo. “E da costela que o Senhor Deus tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão. E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” Gn 2.22-24.


Continuar lendo »


Não Furtarás

    O oitavo mandamento é uma ordem expressa de Deus para que o ser humano, especialmente aqueles que são do seu povo, não se aproprie de nada que pertença a outrem, a não ser com a autorização do proprietário.
    Sabemos pelas Escrituras que tudo o que existe pertence a Deus que tudo criou. “Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam” Sl 24.1.  Deus graciosamente deu bens aos seres humanos. De acordo com a sua soberana vontade a uns Ele deu muito e a outros, pouco, mas tudo vem de Deus, assim diz a Bíblia. “João respondeu e disse: O homem não pode receber coisa alguma, se lhe não for dada do céu” Jo 3.27.


Continuar lendo »


Não dirás falso testemunho

    O nono mandamento é uma ordem expressa de Deus para que o ser humano, especialmente aqueles que  pertencem ao seu povo, não mintam em juízo, visando  prejudicar a quem quer que seja.
       A palavra testemunho, segundo o dicionário de Aurélio, significa “depoimento duma testemunha em juízo; prova”.  Olhando o significado dessa palavra bem como o da palavra testemunhar, concluímos que somos ordenados por Deus a falar a verdade; só testemunhar se tivermos  certeza absoluta do que o que afirmamos é verdadeiro. A  palavra falso, ainda segundo Aurélio, significa dentre  outras coisas algo “contrário a realidade. Em que há mentira, ou dolo. Desleal, traiçoeiro. Infundado; inexato....juízo ou em qualquer outra circunst”. Então, falso testemunho ância aquilo que não é significa afirmar em verdadeiro, visando prejudicar alguém. 


Continuar lendo »