Uma panorâmica sobre Sofonias


Sofonias, cujo nome significa o Senhor Esconde, profetizou no reinado de Josias, e tudo indica que foi ele que deu o apoio espiritual para que aquele jovem rei realizasse a obra de renovação espiritual que aconteceu no seu reinado. Como há uma citação do nome de Ezequias rei de Judá na genealogia de Sofonias tudo indica que esse profeta era da casa real de Davi, portanto um profeta palaciano.

    Como na profecia de Sofonias há um libelo divino contra a Assíria podemos concluir que esse profeta profetizou antes da ascendência dos caldeus (babilônicos) e que a profecia de Sofonias sobre a destruição de Nínive, capital da Assíria,  se cumpriu através dos caldeus que sucederam os assírios no controle politico e militar do mundo antigo.

    Um dos grandes temas tratados pelo profeta Sofonias é o Dia do Senhor, dia esse em que Deus irá punir a humanidade por causa dos seus pecados.  “O grande dia do Senhor está perto, está perto, e se apressa muito a voz do dia do Senhor; amargamente clamará ali o homem poderoso. Aquele dia é um dia de indignação, dia de angústia e de ânsia, dia de alvoroço e de desolação, dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens e de densas trevas, dia de trombeta e de alarido contra as cidades fortes e contra as torres altas. E angustiarei os homens, e eles andarão como cegos, porque pecaram contra o Senhor; e o seu sangue se derramará como pó, e a sua carne, como esterco. Nem a sua prata nem o seu ouro os poderá livrar no dia do furor do Senhor, mas, pelo fogo do seu zelo, toda esta terra será consumida, porque certamente fará de todos os moradores da terra uma destruição total e apressada”  Sf 1.14-17. Inteiramente consumirei tudo sobre a face da terra, diz o Senhor. Arrebatarei os homens e os animais, consumirei as aves do céu, e os peixes do mar, e os tropeços com os ímpios; e exterminarei os homens de cima da terra, disse o Senhor” Sf 1.2,3.

     Esse dia do Senhor é interpretado de duas maneiras, dependendo do contexto. A primeira é o dia em que Deus trata com juízo uma nação especifica. No livro de Sofonias, o Dia do Senhor estava prestes para vir, como de fato veio, a história o confirma, sobre Judá, sobre a Filistia, Amom, Moabe, Etiópia e Assíria. A outra maneira refere-se a um dia escatológico (deduz-se também de Sofonias), atrelado à segunda vinda do Senhor, no período tribulacional, para trazer juízo sobre um mundo ímpio que tem desprezado a Deus. Esse último aspecto dessa profecia encontra respaldo na palavra profética de nosso Senhor Jesus Cristo, tanto nos Sinóticos quanto no Apocalipse, quando disse: “E haverá sinais no sol, e na lua, e nas estrelas, e, na terra, angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas; homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo, porquanto os poderes do céu serão abalados. E, então, verão vir o Filho do Homem numa nuvem, com poder e grande glória” Lc  21.25-27.  “E vi um anjo que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde e ajuntai-vos à ceia do grande Deus, para que comais a carne dos reis, e a carne dos tribunos, e a carne dos fortes, e a carne dos cavalos e dos que sobre eles se assentam, e a carne de todos os homens, livres e servos, pequenos e grandes” Ap 19.17,18.

      Como geralmente os profetas falaram sobre uma restauração futura de Israel, Sofonias também contempla esse assunto. “O remanescente de Israel não cometerá iniquidade, nem proferirá mentira, e na sua boca não se achará língua enganosa; porque serão apascentados, deitar-se-ão, e não haverá quem os espante. Canta alegremente, ó filha de Sião; rejubila, ó Israel; regozija-te e exulta de todo o coração, ó filha de Jerusalém” Sf 3.13,14. “Naquele tempo, vos trarei, naquele tempo, vos recolherei; certamente, vos darei um nome e um louvor entre todos os povos da terra, quando reconduzir os vossos cativos diante dos vossos olhos, diz o Senhor” Sf 3.20.