Uma panorâmica sobre Judas


O penúltimo livro do Novo Testamento tem o nome de Judas. Esse Judas era filho de José e Maria, portanto meio irmão do Senhor Jesus. Ele se identifica na carta que escreveu como Judas irmão de Tiago, fazendo isso para dar credibilidade ao seu escrito, citando como referência Tiago por ser este seu irmão pastor da Igreja de Jerusalém. Essa carta que tem o tema Batalhar pela Fé foi escrita, aproximadamente, entre os anos 70 e 80 da era cristã para os mesmos destinatários das cartas de Pedro. Judas escreveu essa carta com duas finalidades, a saber: 1) Advertir aos crentes sobre a grave ameaça dos falsos mestres e sua influência destruidora nas igrejas da época; 2)  Conclamar a todos os crentes genuínos a batalhar pela fé que uma vez por todas foi dada aos santos.

     Quanto aos falsos mestres e seus ensinos, Judas escreveu para combatê-los no que se refere à posição deles abertamente antinomiana (ensino que enfatizava que a salvação pela graça permitia ao salvo viver uma vida de pecado sem sofrer a consequências dos mesmos). Esses falsos mestres rejeitavam ainda a revelação divina acerca da pessoa e da natureza do Senhor Jesus. Esses erros doutrinários causaram um estrago nas igrejas da época, dividindo-as quando a questão da fé e da conduta da vida cristã. Judas descreve esses falsos mestres como “ímpios (vs 15) e que “não  têm o Espirito” (vs 19).

     Olhando essa carta de forma panorâmica podemos perceber que logo após a saudação feita, Judas revela que tinha a intenção de escrever sobre a salvação comum, mas que por causa do estrago que as heresias estavam fazendo nas igrejas resolvera abordar esse tema, visando preservar a pureza do Evangelho. Judas acusa os mestres apóstatas de impureza sexual, de serem liberais como Caim, cobiçosos como Balaão, rebeldes como Coré, arrogantes, enganosos, sensuais e causadores de divisões no meio do povo de Deus. Judas ainda afirma que o julgamento divino com certeza cairia sobre eles no devido tempo, ilustrando esse juízo com seis fatos acontecidos na vida desses homens citados no Antigo Testamento (vs 6 a 11).  Os juízos divinos que caíram sobre os personagens citados serviriam de exemplo para os que viviam laborando em erros doutrinários.

      A carta de Judas tem as seguintes características: 1) Contém a mais veemente incriminação do Novo Testamento contra os falsos mestres, chamando a atenção a toda a igreja sobre o gravíssimo perigo das heresias que combatem a fé cristã; 2) Contém uma descrição tríplice de três julgamentos divinos tirados do Antigo Testamento; uma descrição tríplice dos falsos mestres; e três exemplos de homens ímpios do Antigo Testamento (Caim, Balaão e Coré); 3) Traz informações sobre três escritos, dois canônicos (as Escrituras do A. T. e a carta de 2ª Pedro) e outro sem ser canônico (as tradições judaicas); 4) Revela, como 2ª Pedro, a queda de alguns anjos e o consequente juízo sobre eles; 4) Contém uma das mais belíssimas bênçãos do N. T.

     Quanto ao ensino errado no meio da Igreja, esse foi o motivador da escrita de praticamente todos os escritos apostólicos.