O Plano de Deus para a Salvação do Homem


Em tudo na vida devemos ser objetivo e prático. Isso também se aplica na obra de evangelização pessoal. A fim de sermos eficazes na obra de evangelização precisamos conhecer de forma lógica e encadeada o plano de Deus para a redenção do ser humano. Esse plano maravilhoso compõe-se de cinco etapas ou partes. Conhecendo-as, bem como os textos bíblicos básicos que as suportam, torna-se mais objetiva e eficaz a pregação do Evangelho, especialmente no compartilhamento das boas novas de salvação as pessoas, de forma individual.
1) O primeiro ponto que se deve enfocar é mostrar ao ouvinte que todos os seres humanos são pecadores aos olhos de Deus, inclusive ele. A Bíblia é clara em mostrar essa importante verdade. “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” Rm 3.23. Em Romanos encontramos ainda: “Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” Rm 5.12. Esses dois textos mostram a terrível realidade do pecado na vida do ser humano. Ainda na carta aos Romanos (6.23) nos é dito que o salário do pecado é morte. Isto quer dizer que quando o ser humano nasce já nasce pecador, morto em seus delitos e pecados, corrompido pelo pecado, destituído da glória de Deus, e debaixo de condenação. (Veja ainda Sl 51.5; Is 64.6; Rm 3.9-18; Tg 1.15).
2) O segundo ponto que deve ser mostrado ao ouvinte é que apesar dele ser pecador Deus o ama e deseja salvá-lo. O amor de Deus pelos seres humanos é algo que não se consegue explicar, pois o homem desprezou a Deus quando optou ouvir a voz do diabo no Édem. A Bíblia fala do amor de Deus desta maneira: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” Jo 3.16. Em Romanos encontramos sobre o assunto: “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” Rm 5.8. No Evangelho de João ainda encontramos a revelação de que o próprio Pai nos ama (Jo 16.27). Em Apocalipse lemos: “E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dentre os mortos e o príncipe dos reis da terra. Aquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados” Ap 1.5. (Veja ainda Ez 18.32; 1 Jo 3.2).
3) O terceiro ponto que deve ser falado ao ouvinte é que o Senhor Jesus morreu na cruz do Calvário pelos pecadores, inclusive por ele. A Bíblia nos revela que Jesus veio a este mundo com o expresso propósito de entregar a sua vida para salvar o pecador da perdição eterna. “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” Lc 19.10. A morte de Jesus na cruz do Calvário foi um sacrifício vicário, isto é, em favor dos outros. Jesus não morreu por uma causa ou por um ideal, ou por si mesmo, mas para remover os nossos pecados, salvando-nos da condenação, pois nos é dito que o salário do pecado é a morte (Rm 6.23). “Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos” Is 53.5,6. Os pecados das pessoas só seriam perdoados ou expurgados com derramamento de sangue. “E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão” Hb 9.22. “Porque a vida da carne está no sangue; pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pelas vossas almas; porquanto é o sangue que fará expiação pela alma” Lv 17.11. Para se tornar realidade essa escrituras Jesus derramou o seu precioso sangue para tirar os nossos pecados. Ele realizou um único e perfeito sacrifício, aceito por Deus, para salvar o ser humano da condenação do pecado. “Mas este, havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus” Hb 10.12. “Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação” Hb 9.28. “E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem” Hb 5.9. O preço da redenção eterna do ser humano já foi pago por Jesus, quando no Calvário derramou o seu precioso sangue. “... e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado” 1 Jo 1.7. “... Aquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados” Ap 1.5. “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” 1 Pe 1.18,19. (Veja ainda Mt 1.21; Jo 1.29; 1 Pe 3.18).
4) O quarto ponto que deve ser enfatizado é que a salvação realizada por Cristo na cruz e oferecida gratuitamente por Ele deve ser aceita pela fé. No seu plano eterno Deus estabeleceu que a fé fosse o meio que o pecador deve usar para receber a salvação proporcionada pela obra de Cristo na cruz do Calvário. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; Não vem das obras, para que ninguém se glorie” Ef 2.8,9. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” Jo 1.12,13. No Novo Testamento encontramos um homem pedindo orientação ao apóstolo Paulo sobre como poderia ser salvo, a resposta dada foi que ele deveria depositar a sua fé em Cristo: “E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa” At 16.30,31. Quando o Senhor Jesus deu a Igreja a grande comissão de pregar o Evangelho disse que quem cresse seria salvo: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” Mc 16.15,16. (Veja ainda Rm 1.16,17; Jo 3.16; 5.24; Rm 10.8-11).
5) O quinto ponto que deve ser notificado ao ouvinte é que uma vez crendo na obra redentora de Cristo e aceitando a Jesus como Salvador ele passa a experimentar neste mundo a salvação de Deus. No seu programa eterno Deus definiu que quando a pessoa cresse em Cristo de coração e o recebesse como Salvador essa pessoa receberia instantaneamente a salvação eterna. Isto quer dizer que cumpridas as etapas anteriores o pecador, outrora perdido, mas, agora remido, passa a usufruir desse dom de Deus. “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor” Rm 6.23. Essa certeza não deve ser baseada em sentimentos, mas, nas infalíveis promessas de Deus. “... para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” Jo 3.16. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome”. “E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida” 1 Jo 5.11,12. “Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai, que fôssemos chamados filhos de Deus. Por isso o mundo não nos conhece; porque não o conhece a ele. Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos” 1 Jo 3.1,2. (Veja ainda 1 Jo 5.11-13; Rm 8.1; 2 Co 5.17).
Este plano conforme exposto acima quando apresentado ao pecador com oração poderá ser extremamente eficaz graças à instrumentalidade do Espírito Santo que foi dado a Igreja para ajudá-la a testemunhar da graça redentora de Cristo.