Decadência Moral (A Violência)


Neste artigo iremos enfatizar a violência que sempre foi um dos males do mundo mui especialmente nesta época em que estamos vivendo.
A violência é uma experiência da vida do homem, comum em todas as culturas, inclusive naquelas mais refinadas. Para se constatar essa verdade é só abrir os jornais do dia de qualquer cidade que, inclusive já tem até uma página policial para registrar esse fato. Constata-se isso também com facilidade através de outros meios de comunicação de massa tais como rádio, televisão, Internet, etc.
Este assunto será abordado olhando para a Bíblia porque entendemos que ela é a Palavra de Deus, a verdade absoluta, e que este assunto não lhe é estranho muito pelo contrário, nela encontramos abundante material sobre o assunto. Assim sendo, está fora de cogitação tratar esse assunto a luz das ciências sociais tais como Sociologia, Psicologia etc. e até porque este autor não é especializado nessas ciências citadas.
Antes de entrarmos no desenvolvimento do artigo é conveniente trazer ao conhecimento do leitor, um conceito de violência: "Violência é um comportamento que causa dano a outra pessoa, ser vivo ou objeto. Nega-se autonomia, integridade física ou psicológica e mesmo a vida de outro. É o uso excessivo de força, além do necessário ou esperado. O termo deriva do latimviolentia (que por sua vez é amplo, é qualquer comportamento ou conjunto que deriva de vis, força, vigor); aplicação de força, vigor, contra qualquer coisa ou ente”. (Wikipédia, a enciclopédia livre).
I – A Violência é fruto da natureza corrompida do homem
Na corrupção da natureza pecaminosa do homem, motivada pelo pecado de nossos primeiros pais, está o cerne da questão que estamos abordando nesta lição. O Senhor Jesus disse que do interior do coração do homem saem toda a espécie de males, inclusive a violência. “Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura” Mc7.21,22. Observem que dos males citados pelo Senhor, pelo menos três deles tratam da violência: homicídios, furtos e maldades.
Quando se abre a Bíblia, logo no início se percebe esse mal brotando do coração de um homem (Caim) que sem razões aparentes tirou de forma violenta a vida de seu irmão Abel. “ E falou Caim com seu irmão Abel: e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou” Gn 4.8. Ainda no livro de Gênesis nos é dito que Deus ao diagnosticar os males da humanidade antidiluviana, diagnosticou a violência como o mal maior. “Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra” Gn 6.13.
II – A Violência é o fruto predileto do egoísmo e da inveja
O egoísmo que é a vontade ou o desejo do indivíduo de querer tudo para si (bens, fama, atenção, espaço, etc) é o originador da violência. A inveja também é originadora da violência. Segundo o Dicionário de Larousse, inveja é: “Sentimento de pesar ou desgosto em face da felicidade de outrem. Desejo intenso de possuir o que é de outrem”. Um indivíduo egoísta e invejoso, com certeza, vai querer penetrar em espaços que não são seus, de querer ter coisas que pertencem a outros, etc. Veja o caso de Caim. O egoísmo e a inveja de Caim eram tão fortes que quando Deus não atentou para a sua oferta e sim para a do seu irmão Abel, sentiu-se frustrado e tornou-se violento a ponto de matar a seu irmão.
Todo ser humano é egoísta e invejoso desde o seu nascimento, por causa do pecado. Veja o caso dos gêmeosEsaú e Jacó que desde o ventre de sua mãe Rebeca já disputavam entre si. “E os filhos lutavam dentro dela; então disse: Se assim é, por que sou eu assim? E foi-se a perguntar ao Senhor” Gn 25.22. É bom esclarecer que em algumas pessoas essa faceta do caráter é mais exarcebada do que em outras pessoas.
Olhando ainda para as Sagradas Escrituras, encontramos um homem chamadoLameque que se vangloriava do seu egoísmo; “E disse Lameque as suas mulheres: Ada e Zilá, ouvi vós; vós, mulheres de Lameque, escutai o meu dito: porque eu matei um varão por me ferir, e um mancebo por me pisar. Porque sete vezes Caim será vingado; mas Lameque setenta vezes sete” Gn 4.23,24. Observem os irmãos que o egoísmo desse homem era tão exarcebado que matou um jovem porque o pisou, acredito até que o pisou involuntariamente. Observem também o tamanho do eu daquele cidadão quando disse que a vingança pela sua morte seria dez vezes maior do que a vingança pela morte de Caim. No Novo Testamento, Paulo também falou sobre esse mal na vida do um homem quando disse que todos buscavam só o que era seu e não o que era de Cristo Jesus. (Fp 2.21). Veja também o caso de Acabe que desejou fortemente ter a posse da vinha de Nabote, a ponto de instigado por sua mulher Jesabel, maquinar a morte daquele homem para ficar com a sua vinha (1 Rs 21.1-16).
III – A Violência é uma agressão a um princípio estabelecido por Deus
Quando Deus fez o homem o fez com um profundo sentimento de liberdade e ao fazê-lo estabeleceu um princípio que ninguém está autorizado a entrar nele sob pena de está cometendo uma violência, sendo este principio o principio da liberdade individual. Quando esse limite é ultrapassado está se invadindo uma privacidade que só a pessoa e a Deus pertence e só esses dois tem o direito de usufruir. A sabedoria popular corrobora inconscientemente esse principio estabelecido por Deus quando diz: “o seu direito vai até aonde começa o meu”.
Somente Deus como Criador é que tem o direito de entrar na área de liberdade de cada individuo, pois a Bíblia diz que é Ele quem dá a vida e a tira quando achar conveniente. “O Senhor é o que tira a ida e a dá: faz descer a sepultura e faz tornar a subi dela” 1 Sm2.6. “... o Senhor o deu e o Senhor o tomou;...” Jó 1.21. Quando um individuo usando deviolência mata alguém está entrando numa area que só pertence a outrem e a Deus, que é a liberdade de dispor da sua vida. Quando alguém rouba está entrando também naárea que não é a sua pois estamos algo que pertence a outrem.
Buscando nas Escrituras luz sobre o assunto, vemos, por exemplo alguns exemplos negativos de pessoas que invadiram a liberdade de outrem e cometeram violência que teve um desdobramento extremamente ruim para todos os envolvidos. O primeiro caso que citaremos foi o estrupo de Tamar filha de Davi pelo seu meio irmãoAmom. Esse jovem príncipe pôs os olhos em sua meia irmã e arquitetou um plano para forçá-la sexualmente. Conseguiu o seu intento mas o seu próprio meio irmão Absalão o matou traiçoeiramente, vingando assim o ultraje a sua irmã. (2 Sm 13.1-36). Outro caso semelhante a esse foi o estupro da filha de Jacó, Diná que foi forçada também sexualmente por um jovem príncipe chamado Siquem de um dos povos que habitavam Canaã na época. Também essa invasão a privacidade de Diná foi um ato de violênciaque teve uma resposta a altura pelos irmãos de Diná, Semeão e Levi (Gn 34.1-31).
Analisando esses dois casos a luz do principio da liberdade de Tamar e de Diná, invadidas por Amom e Siquém respectivamente, descobrimos que essas moças nãoqueriam o relacionamento sexual, mas Amom e Siquém, sendo mais fortes fisicamente do que elas, as forçaram. Ao fazer isso esses dois jovens entraram numa área que não tinham nenhum direito de fazê-los.
IV – A Violência que é pecado é punida por Deus
A Bíblia condena veementemente a violência em todas as suas manifestações, principalmente, quando se trata da violência na sua expressão maior, que é o assassinato, o roubo, o estupro, o seqüestro, etc. No Decálogo encontramos dois mandamentos proibindo o uso da violência contra outra pessoa, que são o sexto e o oitavo mandamentos, respectivamente “Não matarás” e “Não furtarás”. A punição para quem matasse alguém de forma dolosa era a morte sumária e sem apelação. “Quem ferir alguém, que morra, ele também certamente morrerá” Ex 21.12. Havia só um atenuante se a morte fosse por caso fortuito e não premeditada (Ex 21.13). Quem roubasse alguém teria que restituir ao seu dono o que roubara (Ex 22.1). O seqüestrotambém era punido com a morte. “E quem furtar algum homem, e o vender, ou for achado na sua mão, certamente morrerá” Ex 21.16.
Voltando para o mundo antigo quando Deus o puniu com o dilúvio, observamos que foi principalmente por causa da violência que tanto afligira a Deus que Ele decidiu destruir todos os seres humanos poupando, por graça e misericórdia, a família de Noé, preservando-a da destruição. (Gn 6.13-22). Sodoma e Gomorra, duas cidades de Canaã, também foram destruídas por causa dos seus pecados, dentre eles o pecado da violência como se percebe no costume de seus habitantes principalmente de Sodomade violar sexualmente com práticas homossexuais os estrangeiros que peregrinavam nelas (Gn 19.1-9). O próprio povo de Deus, do Reino de Judá, foi punido severamente por causa da prática da violência. “E, na verdade, conforme o mandado do Senhor, assim sucedeu a Judá, que a tirou de diante da sua face, por causa dos pecados deManassés, conforme tudo o que fizera. Como também por causa do sangue inocente que derramou, enchendo a Jerusalém de sangue inocente: e por isso o Senhor não quis perdoar” 2 Rs 24.3,4.
V – A solução para o problema da violência
Vimos num dos itens deste artigo que a violência é fruto da natureza corrompida do homem e que ela tem sua origem no pecado de egoísmo do homem. Para esse e outros males o remédio eficaz é o Evangelho de Cristo, pois ele é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crer. (Rm 1.16,17). Quando o Evangelho penetra no coração de um homem, o Espírito Santo o transforma numa nova criatura, num filho de Deus, gerando em sua alma novos propósitos, novos ideais. Vejamos o caso de Moisés que na sua juventude era violento pois matara um egípcio porque espancara um judeu (Ex 2.11,12. Depois da experiência transformadora da sarça ardente, em que fora alcançado pela graça de Deus, Moisés tornou-se um homem extremamente pacato a ponto da Bíblia testemunhar que ele era o homem mais manso da face da terra (Nm12.3). Vejamos o caso de Saulo de Tarso feroz perseguidor da Igreja do Senhor, mas que fora alcançado pela graça divina que o transformou noutro homem gerando no seu coração a vontade de pregar a fé que outrora destruía. (At 9.1-8; Gl 1.23).
Outra prova evidente de que o Evangelho transforma as vidas é que é muito difícil encontrar um crente genuíno num presídio seja lá onde for por causa da prática da violência. Pode-se até encontrar crentes em presídios mas eles foram convertidos dentre deles ou em caso de prisão por causa do Evangelho, o que acontece em países em que é proibido pregar a mensagem de Deus.
Conclusão
Vimos neste artigo que a violência é dos males que tem acompanhado o homem desde a sua queda. Foi-nos mostrado ainda que a violência tem a sua causa motriz o egoísmo e a inveja. Ainda vimos que mesmo que a sociedade faça campanhas e mais campanhas contra o álcool, o tabagismo, as drogas, a prostituição infantil, e outros males sociais, e que invista no aparelho policial e que tenha políticas sociais que venham a minimizar os males da sociedade a solução definitiva contra a violência é somente através da aceitação e da crença na mensagem salvadora do Evangelho de Cristo, pois essa a única mensagem que transforma o ser humano numa nova criatura.
É bom também observar e enfatizar que a violência não é só as citadas aqui, mas que existe aquelas pequenas violências perpetradas nos lares, no trabalho e até infelizmente nas igrejas, como por exemplo, violência verbal, censura sem caridade, etc.
Permita Deus que o Evangelho cresça e alcance muitas vidas transformando-as. Permita ainda Deus que os crentes sejam cheios do Espírito Santo e tenham o fruto do Espírito no que se refere ao domínio próprio.