A Obra de Beneficência da Igreja


O Senhor determinou que a sua Igreja exercesse um poderoso ministério nas áreas de adoração (cultos a Deus), de edificação espiritual dos seus membros e congregados, de proclamação do Evangelho e da Beneficência (socorro aos santos necessitados).
A nossa Igreja entendendo que é a vontade de Deus trabalhar forte também na área da beneficência definiu, em sua programação anual, o Dia da Beneficência que estamos comemorando hoje com uma programação especial.
Tratando-se da beneficência como ministério da Igreja é conveniente fazer neste boletim um embasamento bíblico teológico para que os irmãos entendam bem o assunto. Primeiramente trataremos da pobreza. A pobreza ou a escassez de bens para a manutenção do ser humano é em suma fruto do pecado do homem. Não estamos nos referindo aos pecados individuais das pessoas e sim ao pecado de origem cometido por nossos primeiros pais (Adão e Eva), pois esse pecado atingiu também a natureza. É verdade que em certas ocasiões a pobreza é fruto do pecado individual, mas, não podemos generalizar por se tratar de um assunto complexo. Em qualquer circunstância não devemos, como Igreja, julgar quem quer que seja pelo fato de estar enfrentando dificuldade nessa área, e sim socorrê-la quando a necessidade estiver instalada.
Nós sabemos pela Bíblia que a provisão para a manutenção do ser homem vem de Deus. Tudo o que o homem precisa para viver na terra foi proporcionado por Deus. Ele é o grande provedor das necessidades do homem. “O Senhor é o meu Pastor; nada me faltará”.
A existência do pobre no mundo é uma oportunidade que Deus dá a quem Ele deu abundância de recursos para exercer o ministério da misericórdia, que tanto agrada ao Senhor. O Senhor Jesus disse que os pobres sempre os teríamos conosco e quando quiséssemos poderíamos fazer-lhes bem (Marcos 14.7).
A ordem expressa de Deus é que façamos o bem a todos especialmente aos irmãos na fé (Gálatas 6.10). O Senhor foi mais explicito na ordem quando disse: “Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade” Romanos 12.13. Diz ainda as Sagradas Escrituras sobre o assunto: “E não vos esqueçais da beneficência e da comunicação, porque com tais sacrifícios, Deus se agrada”. Hebreus 13.16.
Quando os dois gigantes da fé Pedro e Paulo se encontraram depois de alguns anos ministrando separadamente o evangelho, o primeiro aos judeus e o segundo aos gentios, Pedro recomendou a Paulo que não esquecesse a ajuda aos irmãos carentes da Igreja. “Recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também procurei fazer com diligência”. Gálatas 2.10. Podemos observar que Paulo em suas cartas enfatizou bem essa área ministerial da Igreja além dos textos citados acima em Romanos e Gálatas (Veja 1 Coríntios 16.1-44 e 2 Coríntios capítulos 8 e 9).
Essa preocupação com os pobres do povo de Deus principalmente, já era uma prática no viver dos israelitas. A caridade era enfatizada e Deus se agradava disso a ponto de Salomão dizer que quem dá aos pobres empresta a Deus (Provérbios 19.17). Assim sendo amados, procuremos investir nessa área, ajudando o Departamento de Beneficência da Igreja com uma contribuição mensal e com a doação de gêneros alimentícios para confecção das cestas básicas a fim de atendermos as necessidades de nossos queridos irmãos.